30 abril 2011

Mais forte do que o crack, óxi chega a São Paulo após se espalhar por dez Estados

Ainda desconhecido pela maioria da população, o óxi ou oxidado, uma droga parecida com o crack, só que mais devastadora, já se espalhou por dez Estados do país e recentemente chegou a São Paulo. Assim como o crack, o princípio ativo do óxi é a pasta base da folha de coca. Enquanto o crack é obtido a partir da mistura e queima da pasta base com bicarbonato de sódio e amoníaco, no óxi são utilizados cal virgem e algum combustível, como querosene, gasolina e até água de bateria --substâncias que barateiam o custo do entorpecente.
O óxi é inalado ou fumado, assim como o crack, na lata ou no cachimbo. A droga é produzida na Bolívia e no Peru e começou a entrar no Brasil em 2005 pelo interior do Acre. Em pouco tempo, chegou a Rio Branco, onde atualmente há um número elevado de usuários, e se espalhou para outras capitais da região Norte, como Manaus (Amazonas), Belém (Pará), Macapá (Amapá) e Porto Velho (Rondônia).
Nos últimos meses, houve apreensões e registros de usuários em Goiás, Distrito Federal, Pernambuco, Mato Grosso do Sul e Piauí --onde foram confirmadas 18 mortes só neste ano por conta do uso do óxi. Há rumores da circulação da droga no Mato Grosso, Maranhão e Paraná, embora não haja registros oficiais.
A Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad), subordinada ao Ministério da Justiça, informou que pesquisadores do órgão registraram a circulação da droga em Santos (SP), mas não forneceu mais detalhes. Na capital, não há registros de usuários de óxi no SUS (Sistema Único de Saúde), segundo a Secretaria de Estado da Saúde. A Secretaria Municipal da Saúde da capital paulista, que faz um trabalho com usuário de drogas na Cracolândia, região central, também afirma não ter encontrado a droga.
Oficialmente, o Denarc (Departamento de Investigações sobre Narcóticos) da Polícia Civil ainda não fez apreensões da droga. Segundo o órgão, no entanto, o óxi já pode ter sido apreendido, mas não foi diferenciado em razão de sua semelhança com o crack. A maior diferença na aparência entre as duas drogas é a cor mais amarelada do óxi, enquanto a pedra do crack é mais clara.

Composição da droga

- Pasta base da folha de coca
- Cal virgem
- Combustível, como querosene, gasolina e até água de bateria

O delegado Reinaldo Corrêa, da Divisão de Prevenção e Educação (Dipe) do Denarc, cita um episódio ocorrido em março deste ano, em que foram apreendidos 200 kg de crack em um laboratório no Ipiranga, zona sul de São Paulo. Na ocasião, a polícia prendeu oito mulheres contratadas em Alagoas para empacotar a droga, além de seis homens que compravam a droga no atacado na Bolívia. Na época, o Denarc anunciou que a apreensão era de crack, mas segundo Corrêa, tudo indica que, na verdade, tratava-se de óxi.
“Os investigadores queimaram algumas pedras para analisar o material e a substância soltou uma espécie de óleo, que é um resíduo do querosene do óxi que o crack não solta. Só foi registrado como crack porque os investigadores não sabiam da existência do óxi. Agora, qualquer coisa que a gente apreender, vamos ficar de olho”, afirmou o delegado.
Ainda segundo Corrêa, pedras estão sendo vendidas na cracolândia por R$ 2 a R$ 5, valor inferior ao que normalmente o crack é comercializado (entre R$ 7 e R$ 10), o que pode ser um indício do comércio de óxi. Também há relatos não-oficiais de uso de óxi na região da avenida Jornalista Roberto Marinho, na zona sul da capital. “Se olharmos o percurso da droga, o próximo destino é São Paulo, que é o grande centro consumidor de crack. Nada impede que o óxi chegue aqui”, disse.

Efeitos e danos ao organismo

A pasta base é feita a partir da trituração da folha de coca, encontrada nos países andinos (Bolívia, Peru, Colômbia e Equador). Para obter a pasta base, utiliza-se ácido sulfúrico e outros componentes tóxicos. No óxi, a pasta base é misturada com combustível e cal virgem, componentes corrosivos e extremamente danosos ao organismo.
A droga inalada chega ao cérebro entre 7 e 9 segundos, apenas, e acelera o metabolismo do usuário, causando sensações de euforia, depressão, medo e paranoia. Diferente da cocaína, os efeitos duram pouco tempo, no máximo 10 minutos. Essas circunstâncias obrigam o drogado a inalar o óxi repetidamente para manter o “barato”, o que aumenta as agressões ao organismo.
De acordo com o psiquiatra Pablo Roig, diretor de uma clínica particular de recuperação de drogados, o que torna o óxi mais letal que o crack é, em primeiro lugar, os componentes adicionais --cal e combustível-- e, em segundo, a quantidade do princípio ativo da cocaína, que no óxi é de 60% do composto, um pouco superior ao encontrado no crack.
“São substâncias com alta toxicidade, que causam dificuldades na respiração, fibroses e endurecimento do pulmão. Afetam o sistema cardiorrespiratório e promovem uma vasoconstrição muito intensa. Muitos usuários têm perda de consciência, o que leva a uma parada cardíaca e ao coma”, afirma o médico.
A maioria dos usuários intercala as inaladas com doses de álcool para controlar a sensação de abstinência causada pela droga, o que ataca o fígado e o sistema digestivo, fazendo com que os usuários tenham diarreia e vômito. Muitos usuários de óxi apresentam aparência amarela por conta dos efeitos da droga no fígado.
“O álcool com a substância da cocaína forma o cocaetileno, que pode provocar esteatose hepática (gordura no fígado) e cirrose”, diz Roig. O cocaetileno também é uma substância tóxica para o miocárdio, o que pode também provocar morte súbita.
Ainda não há um estudo sobre a letalidade do óxi. Nos próximos dias, a Fundação Oswaldo Cruz, em parceria com o Ministério da Justiça, divulgará um amplo estudo sobre o crack que também deve abordar o óxi. No entanto, segundo o delegado do Denarc, em média 30% dos usuários da droga não sobrevivem após um ano de uso.
fonte: UOL

28 abril 2011

Governo Dilma dá início a Privatização dos Aeroportos

 NA INTEGRA DO SITE DA CAUSA OPERARIA ONLINE

Depois de alguns meses de articulação política, o PT vai entregar mais um setor estratégico para os capitalistas. O início desta operação se dará nos aeroportos de Guarulhos, Campinas e Brasília

Na edição de ontem do Causa Operária Online denunciamos que o governo Dilma estava intensificando a privatização dos aeroportos depois que a direita promoveu uma campanha para apressar a entrega deste setor para os capitalistas. Poucas horas depois da publicação desta matéria, os fatos confirmaram nossa denúncia.
O ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, em entrevista às redes de televisão, rádio e jornais da imprensa capitalista, anunciou que o governo já tem prontas as concessões de três aeroportos para os capitalistas. Estes aeroportos são: Cumbica, em Guarulhos; Viracopos, em Campinas e Juscelino Kubistchek, em Brasília.
Na nossa matéria intitulada “Direita pressiona e Dilma vai acelerar a privatização dos aeroportos” denunciamos que uma das formas para intensificar o processo de privatização o governo federal estava adotando a política de fortalecer a recém criada Secretaria de Aviação Civil (SAC). Na matéria estava escrito: “Dilma, que já tinha fundado a Secretaria de Aviação Civil (SAC) no início do mês, dará mais poderes a ela como forma de “combater os atrasos”. O problema é que esta secretaria foi justamente a maneira de colocar toda a aviação civil nas mãos dos empresários do setor. O aumento do poder da Secretaria Aviação Civil se dará por meio de uma parceria entre ela e o Tribunal de Contas da União. Desta forma, a SAC irá controlar um volume maior da verba destinada à construção de novos terminais, justamente os que serão entregues aos capitalistas” (Causa Operária Online, 27/4/2011). 
A declaração de Palocci explicando a imprensa o processo de privatização foi outra confirmação do que dissemos. “Acabamos de constituir a Secretaria de Aviação Civil. Ontem, a presidente Dilma Rousseff definiu medidas para essa secretaria já estabelecer o critério de concessão de serviços para Guarulhos, Viracopos e Brasília. Teremos obras por concessão nesses três aeroportos", confirmou o ministro da Casa Civil (DCI, 27/4/2011).
O PT se elegeu, em grande medida, pelos votos da população que rejeitava a direita. Uma das razões da rejeição da direita é justamente a política de privatização promovida nos oito anos do governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002).
Ao privatizar os aeroportos, o PT está aplicando o programa da direita e cometendo um estelionato eleitoral contra toda a população brasileira.
É preciso denunciar estas medidas e organizar a luta da classe trabalhadora contra esta política de entregar o patrimônio construído com o trabalho da população aos capitalistas.  

FONTE.
http://www.pco.org.br/conoticias/ler_materia.php?mat=28596

A educação como modo de vida

Geralmente, quando se fala em educação, pensamos imediatamente em escolas, alunos, professores, livros, materiais pedagógicos. Ou seja, a palavra remete imediatamente ao universo escolar. No entanto, a escola não é o único lugar onde a educação acontece.

Num sentido bem amplo, a educação é uma parte do modo de vida de um povo, um componente fundamental de sua cultura. Sem ela seria impensável a aquisição e a transmissão da cultura dos mais diversos grupos sociais. A educação não se realiza sempre do mesmo modo, mas varia historicamente de acordo com as necessidades de cada povo e de cada época. Não existe, portanto, um modelo único e definitivo de educação: [...] Da família à comunidade, a educação existe difusa em todos os mundos sociais, entre as incontáveis práticas dos mistérios do aprender; primeiro, sem classes de alunos, sem livros e sem professores especialistas; mais adiante, com escolas, salas, professores e métodos pedagógicos. (O que é educação, Carlos Rodrigues Brandão. São Paulo, Brasiliense, 1984.)
A educação existe tanto em sociedades tribais de povos caçadores agricultores ou nômades, quanto em sociedades de países desenvolvidos e industrializados. O dia 28 de abril é dedicado a este importante elemento de aquisição e de transmissão de cultura.
Escolarização no Brasil
Ainda hoje, as escolas de nosso país enfrentam muitos problemas: insuficiência das verbas públicas, formação precária dos professores, baixa qualidade de ensino, alto índice de repetência e evasão escolar, falta de vagas nas creches, problemas com a merenda escolar, sucateamento das escolas, baixa remuneração dos docentes. Essas, entre outras, são situações vividas pela imensa maioria dos brasileiros.
A necessidade de maiores investimentos na área da educação é uma constatação antiga. Hoje, porém, cresce a consciência social de que a resolução dos graves problemas por que passamos dependerá da formação dos jovens, para que exerçam a cidadania.
Apesar do aumento da escolarização no país nos últimos anos, apenas 32% dos adolescentes entre 15 e 17 anos estão atualmente matriculados no ensino médio, segundo dados do próprio MEC. Os 68% restantes ou se encontram ainda no ensino fundamental ou abandonaram os estudos. De acordo com a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco), na Colômbia a escolaridade nessa faixa etária é de 50%; no Chile, de 55%. Na Europa a taxa chega a 80%.
São visíveis e alarmantes as conseqüências dessa baixa escolarização: desemprego, marginalização social, violência e toda a sorte de mazelas sociais que vivemos em nosso cotidiano.
Em termos mundiais, para diminuir o número de analfabetos e aumentar a escolarização média, a Unesco sugere aos países desenvolvidos o perdão das dívidas das nações pobres, com sua conversão para investimentos em educação. 
No Brasil, alguns setores da sociedade, estão mobilizados em torno de propostas para a educação de jovens e crianças, na tentativa de dimunuir as dificuldades que o governo encontra para solucionar problemas nessa área. ONGs (Organizações não-governamentais) proliferam pelo país com projetos educacionais, além do trabalho voluntário, que vem sendo altamente estimulado pela mídia.
Além dessas iniciativas, o ensino a distância, possível graças às novas tecnologias, pode trazer importantes contribuições para que essa triste situação se modifique.

FONTE:
http://www.aticaeducacional.com.br/htdocs/secoes/datas_com.aspx?cod=175

27 abril 2011

VEJA QUEM É O TERRORISTA PROTEGIDO PELO " PT E PSOL " CESARE BATTISTI


Entre 1968 e 1971, frequentou o liceu clássico e acompanhou as atividades de militância do irmão maior, Giorgio, no Partido Comunista Italiano e em sindicatos. Participou, ainda muito novo, da juventude do PCI e das agitações estudantis de 1968. Abandonou os estudos em 1971, afastando-se do PCI pouco tempo depois, para aderir, ainda durante a adolescência, à Lotta Continua (LC), movimento da esquerda extraparlamentar italiana, ativo entre 1973 e 1979. Após sair da LC e participar de alguns squats, aderiu à Autonomia Operária.[12] Foi preso pela primeira vez em 1972, por furto, em Frascati. Em 1974 foi novamente preso e condenado a seis anos de prisão, por assalto a mão armada. Libertado em 1976, em 1977 foi preso novamente. Na prisão de Udine, conheceu Arrigo Cavallina, ideólogo dos Proletários Armados pelo Comunismo (PAC), que o introduz na organização terrorista.
De todo modo, Cesare Battisti acabou sendo preso na Itália, em junho de 1979. Neste primeiro processo, não lhe foi atribuída qualquer relação com a morte do comandante da prisão. Foi sentenciado a doze anos de prisão, sob acusação de participação em grupo armado, assalto e receptação de armas.
Foi dessa época também a lei de delação premiada, que fez proliferar os pentiti (arrependidos).
Battisti conseguiu fugir da prisão de Frosinone, em 4 de outubro de 1981, com a ajuda de Pietro Mutti, o futuro "arrependido", que lhe imputaria participação central nos crimes e delitos atribuídos aos PAC.
Em 1987, ainda enquanto estava no México, foi novamente julgado na Itália, à revelia, por estar foragido. É então considerado culpado pela autoria direta ou indireta dos assassinatos de Antonio Santoro, Lino Sabbadin, Andrea Campagna e Pierluigi Torregiani, e condenado à prisão perpétua. De acordo com a justiça italiana, foi dado a Battisti amplo direito de defesa e a sentença foi baseada no testemunho de diversas pessoas.
Nesse segundo julgamento, as delações premiadas dos ex-militantes do PAC Pietro Mutti e Sante Fatone foram decisivas para a condenação à prisão perpétua aplicada a Cesare Battisti. Conforme a própria sentença do Tribunal do Júri de Milão de 1988, as declarações dadas por Pietro Mutti a partir de 5 de fevereiro de 1982 determinam uma reviravolta radical nas investigações e levam à incriminação dos atuais imputados Battisti e outros membros do PAC.

Alguns crimes cometidos por Battisti;

 Assassinato de Antonio Santoro, um agente penitenciário, morto em Udine durante sua primeira fuga, em 6 de junho de 1978; 3 tiros 1 nas costas e outros 2 quando estava dominado no chão.

 Assassinato de Pierluigi Torregiani, morto em Milão, em 16 de fevereiro de 1979; 4 tiros 2 em pé e outros dois já dominado e no chão.

Assassinato de Lino Sabadin, morto em Veneza, no mesmo no dia 16 de fevereiro de 1979; 2 tiros, além de matar roubou o joalheiro, Latrocínio.

E, finalmente, o assassinato de Andrea Campagna, agente policial que havia participado das primeiras prisões no caso Torregiani, morto em Milão com 5 tiros na frente de sua família.
Torregiani e Sabbadin foram mortos quando reagiram a assaltos de que foram vítimas. O filho de Torregiani, à época com 13 anos, também foi ferido no episódio e ficou paraplégico. 
O filho de Torregiani considera que Battisti é o principal responsável pelo incidente e que deve cumprir a pena a que foi sentenciado. Em declaração à agência ANSA, disse "Não se trata de nada pessoal com respeito a Cesare Battisti, mas sim de que todos entendam que os criminosos devem, mais cedo ou mais tarde, pagar por crimes tão graves".
AGORA ME DIGA, QUAL DESSES HOMICIDIOS SÃO CRIME POLITICO.

FOTO: http://resistenciademocraticabr.blogspot.com/

23 abril 2011

Líder do PT defende plantio de maconha em cooperativa

Na contramão do que prega o governo Dilma Rousseff, o líder do PT na Câmara, Paulo Teixeira (SP), defende a liberação do plantio de maconha e a criação de cooperativas formadas por usuários.
Num recente debate sobre o assunto, o deputado disse que a política de "cerco" às drogas é "perversa" e gera mais violência. Dilma assumiu o governo incluindo entre suas prioridades o combater "sem tréguas" ao crime organizado e às drogas.
Em janeiro, a presidente desistiu de nomear o então secretário Nacional de Justiça Pedro Abramovay para a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas depois que ele sugeriu numa entrevista a adoção de penas alternativas para pequenos traficantes.

Assim como Abramovay, o líder do PT na Câmara afirmou que a prisão de pequenos traficantes contribui para engrossar as fileiras das organizações criminosas.
"São mães de família que sozinhas têm que criar os filhos e passam a vender", disse o deputado. "As prisões têm levado a organizar a violência contra a sociedade."
Teixeira falou sobre o assunto num debate organizado pelos grupos "Matilha Cultural" e "Desentorpecendo a Razão" em São Paulo, em 24 de fevereiro, um mês após a queda de Abramovay.
Um vídeo com a íntegra da exposição foi publicado no blog do deputado e no site Hempadão (cujo título faz uma brincadeira com as palavras "hemp", maconha em inglês, e "empadão").
MODELO ESPANHOL
Teixeira disse no debate que o governo deveria autorizar a criação de cooperativas para o plantio e a distribuição da maconha. "O melhor modelo é o da Espanha: cooperativas de usuários, onde se produz para o consumo dos próprios usuários, sem fins lucrativos", afirmou.
O líder do PT disse que, se comer sanduíches do McDonald's, "talvez o maior crime", não é proibido, o governo não poderia impedir também o plantio de maconha.
"Cabe ao Estado dizer que faz mal à saúde. Não existe crime de autolesão. Se eu quero, eu posso usar, tenho direitos como usuário. E isso o Estado não pode te negar."
Segundo ele, a forma como o governo e alguns juízes tratam as drogas é um tiro no pé: não garante a segurança nem a saúde dos usuários.
A Folha
fez vários pedidos de entrevista ao deputado desde 16 de março, mas sua assessoria não deu resposta.
No debate de fevereiro, Teixeira fez um apelo aos usuários de maconha: "Só a coragem pública daqueles que vão às ruas discutir fará com que esse tema avance".
Ele disse que irá sugerir ao Ministério da Justiça que o Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas faça um projeto com as "mudanças óbvias". O deputado afirmou ainda que pedirá o apoio do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB) --simpatizantes de mudanças na legislação sobre drogas.
Para o líder do PT, a proliferação do crack complicou a discussão sobre a maconha. "Ele não é o todo, ele é uma parte. É o resultado dessa política de cerco. Ele não pode interditar o debate sobre as demais drogas recreativas".
Ao defender a regulamentação do plantio da maconha, Teixeira afirmou que isso não aumentaria a oferta da droga. "Esse cenário que as pessoas têm medo, de que 'no dia em que legalizar, vão oferecer ao meu filho', não é o futuro, é o presente. Hoje liberou geral. É mais fácil adquirir drogas na escola do que comprar antibióticos."
A legislação atual prevê medidas socioeducativas para usuários da droga apanhados em flagrante e prisão para os traficantes.

22 abril 2011

ADMINISTRAÇAO DO PT EM DOURADOS-MS

Caminhada Bombeiros Militares - 20 ABR 11 - Lgo Machado - Palácio GB.

Bombeiros Militares - Rio - Mobilização - Aquartelamento.

Corpo de Bombeiros pune Militares que reividicavam direitos.

O Boletim interno do Corpo de Bombeiros divulgou ontem no início da noite a lista de 36 bombeiros guarda-vidas que foram transferidos de unidades em consequência de participação na manifestação pacífica realizada no domingo passado na orla de Copacabana. Nesse protesto, agentes do serviço reservado do Corpo de Bombeiros apreenderam uma das faixas que seria levada por um avião, impedindo até mesmo a decolagem da aeronave, no Aeroporto de Jacarepaguá.
A transferência dos militares - todos praças - é mais uma demonstração de arbitrariedade do comando do Corpo de Bombeiros do Estado do Rio de Janeiro, que não admite o diálogo com a tropa e emprega métodos arcaicos da época do regime militar. Os bombeiros querem apenas ser ouvidos pelos seus chefes, como o comandante da corporação, coronel Pedro Marco Cruz Machado, e o secretário de Saúde e Defesa Civil, Sérgio Cortes, que também parece ignorar os apelos de seus subordinados. O que eles reivindicam é apenas melhores de condição de trabalho e aumento salarial, já que recebem o menor soldo do país, R$ 950 mensais, menos, portanto, que os policiais militares e se arriscam tanto ou mais do que esses.
O estado deu gratificação muito superior aos policiais civis e militares, alegando que os bombeiros não pertencem mais ao quadro da segurança pública do estado. De fato, desde que o governador Sérgio Cabral assumiu o governo, em 2007, os bombeiros foram transferidos da Segurança Pública para a Saúde, que passou a coordenar a Defesa Civil. A medida contraria o que está previsto no artigo 144 da Constituição, que determina as funções de cada órgão da segurança, incluindo os bombeiros, considerados forças auxiliares do Exército, como a PM. O Rio é hoje o único estado da federação em que os bombeiros estão subordinados à Secretaria de Saúde e não mais à de Segurança Pública.

 Leia a íntegra do Boletim:
B – ALTERAÇÕES DE PRAÇAS
1. MOVIMENTAÇÃO DE PRAÇAS BM – ATO DO DIRETOR-GERAL DE
PESSOAL – NOTA DGP/MP 014/2011
O Diretor-Geral de Pessoal, no uso das atribuições que lhe confere a alínea
“c” do Art. 12, do Regulamento para Movimentação de Oficiais e Praças (RMOP-CBMERJ),
aprovado pelo Decreto-lei nº 4581, de 24 Set 81,
RESOLVE:
1. RETIFICAR
O item 2.4 da Nota DGP/MP 013/2011, publicada no Boletim da
SUBSEDEC/CBMERJ nº 071, de 18 Abr 2011:
ONDE SE LÊ:
2.4. Para o 1º GBS (Barra da Tijuca)
Do DBM 1/11 – Benfica:
2º Sgt BM Q02/90 MARCIO FERREIRA HORA, RG
012932, 2º Sgt BM Q02/90 OSWALDO GONÇALVES JÚNIOR, RG 013783;
LEIA-SE:
2.4. Para o 17º GBM (Copacabana)
Do DBM 1/11 – Benfica:
2º Sgt BM Q02/90 OSWALDO GONÇALVES
JÚNIOR, RG 013783; permanecendo o 2º Sgt BM Q02/90 MARCIO FERREIRA HORA, RG 012932
lotado no DBM 1/11(Benfica);
2. TRANSFERIR,
por necessidade do serviço, em consonância com o item 2,
§ 1º do art. 5º;
2.1. Para a DGP
Do 2º GMar (Barra da Tijuca):
1º Sgt BM Q10/81 VALDELEI DUARTE, RG
006933;
2.2 Para o 4º GBM
Do 1º GMar (Botafogo):
1º Sgt BM Q10/85 JULIO CESAR SANTANA DOS
SANTOS, RG 008689; Cabo BM Q08/98 ELIAS NASCIMENTO ALVES, RG 024302.
Do 2º GMar (Barra da Tijuca):
2º Sgt BM Q10/90 CLAUDIO SEVERINO, RG
012025; Cb BM Q10/97 MARCELO SOARES CAMPOS, RG 022535; Cb BM Q10/02 LAIR DE
SOUZA FRANCA JUNIOR, RG 031374;
Do 3º GMar (Copacabana):
Cb BM Q00/98 ANDREI FRANCISCO
CARVALHO, RG 024489; Sd BM Q10/08 ERICK DOS SANTOS PATROCINIO, RG 043699;
2.3 Para o DBM 2/4 (Belford Roxo)
Do 1º GMar (Botafogo):
3º Sgt BM Q10/97 WALCINEY RIBEIRO DE
OLIVEIRA, RG 021175;
BOLETIM DA
SUBSEDEC/CBMERJ
NÚMERO
072
DATA
19/04/2011
FOLHA
2645
Do 2º GMar (Barra da Tijuca):
3º Sgt BM Q10/90 WAGNER DANTAS DA
SILVA, RG 012670;
Do 3º GMar (Copacabana):
1º Sgt BM Q10/81 CARLOS AUGUSTO
PALERMO, RG 006525; Cb BM Q10/02 HERALDO CORREIA VIEIRA, RG 031536; Sd BM Q10/08
DIOGO TAVARES FERNANDES, RG 044748;
2.4 Para o 14º GBM (Duque de Caxias)
Do 1º GMar (Botafogo): Cb BM Q00/97 LUIZ ANTONIO GOMES DOS
SANTOS, RG 022334;
Do 2º GMar (Barra da Tijuca):
3º Sgt BM Q10/98 RICARDO VINICIUS
PESSANHA DE OLIVEIRA, RG 024265; Cb BM Q10/98 ADHEMAR DE QUEIROZ BALTHAR
JUNIOR, RG 024244; Sd BM Q10/08 CHARLLES MARTINS PEREIRA, RG 043840
Do 3º GMar (Copacabana):
Cb BM Q10/97 LEONARDO LIMA, RG 021181;
Cb BM Q10/02 ANDRE MANOEL PONTES DE MATOS, RG 031429; Sd BM Q10/08 GILBERTO
ALVES JUNIOR, RG 043848;
2.5 Para o GOPP (Duque de Caxias)
Do 1º GMar (Botafogo):
Cb BM Q10/98 BRUNO GONCALVES DE
FREITAS, RG 024230;
Do 2º GMar (Barra da Tijuca):
Cb BM Q10/97 RONEY DE SOUZA, RG
021153; Cb BM Q10/02 REINALDO GONCALVES DE LUCES FORTES, RG 031351;
Do 3º GMar (Copacabana):
2º Sgt BM Q10/90 CARLOS ALBERTO
RODRIGUES NOBRE, RG 012041; Cb BM Q10/97 VANDRE DE AZEVEDO SALLES, RG 022616;
Sd BM Q10/ RAFAEL IGLESIAS DE LIMA ASSIS FERREIRA, RG 043832; Sd BM Q10/08 JEAN DE
OLIVEIRA SANSON, RG 043798;
2.6 Para o 25º GBM (Paracambi)
Do 1º GMar (Botafogo):
CABO BM Q10/98 FAUSTO DE PAULA REIS, RG
024477;
Do DBM 2/M (Praia de Ramos):
1º Sgt BM Q10/81 ANTONIO VENTANIA
NETO, RG 006743;
Do 2º GMar (Barra da Tijuca):
Cb BM Q10/97 RICARDO LUIZ DA SILVA,
RG 021154; Cb BM Q10/02 HARRUA LEAL AYRES, RG 031416;
Do 3º GMar (Copacabana):
Cb BM Q10/98 EDVALDO CORREIA DA
CUNHA, RG 024229; Sd BM Q10/ MATHEUS SILVA AMANCIO, RG 043736;
3. CLASSIFICAR
3.1 Na DGP:
Cb BM Q10/98 BENEVENUTO DACIOLO FONSECA DOS
SANTOS, RG 024481, por necessidade do serviço, em retorno ao CBMERJ;
Em consequência, os Comandantes confeccionem, no prazo de 48 horas, os
respectivos ofícios de apresentação dos Militares movimentados, especificando os dias concedidos
para trânsito, em cumprimento ao que determinam o Art. 7º do Decreto nº 4581, de 24 de setembro
de 1981 e a regulamentação do Comando-Geral deste Corpo, feita através do Boletim da
SEDEC/CBMERJ nº 097, de 28 Mai 2003.

fonte: O Globo
 
fonte:

13 abril 2011

O ASSINATO DE MÁRIO KOREL FILHO

Lula declarou, referindo-se ao Portal Memórias Reveladas, recém criado para abrir ao público os arquivos da luta armada, que o acesso à informação é essencial. 
 "(...) - Para o presidente, o direito à informação pública é um dos mais eficazes instrumentos de combate ao arbítrio e à corrupção (...)"  -  O Globo
Vejamos o que estão escondendo....
Texto completo
 

Segundo a  Ministra-Chefe da Casa Civil/hOJE Presidenta Dilma
"O Centro constitui um marco na democratização do acesso à informação e se insere no contexto das comemorações dos 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Um pedaço de nossa história estava nos porões. O "Memórias Reveladas" coloca à disposição de todos osbrasileiros os arquivos sobre o período entre as décadas de 1960 e 1980 e das lutas de resistência àditadura militar, quando imperaram no País censura, violação dos direitos políticos, prisões,torturas e mortes. Trata-se de fazer valer o direito à verdade e à memória.(...) (...)Estamos abrindo as cortinas do passado, criando as condições para aprimorarmos a democratização do Estado e da sociedade. Possibilitando o acesso às informações sobre os fatospolíticos do País reencontramos nossa história, formamos nossa identidade  e damos mais um passpara construir a nação que sonhamos: democrática, plural, mais justa e livre."COMENTÁRIO DO SITE  www.averdadesufocada.com  :

No entanto, o que temos visto, no referido portal são  MEMÓRIAS CENSURADAS

***Vejam a cronologia do ano de 1968, que consta no Portal que pretende contar a história da luta armada nas décadas de 60 e 70:

28 de março de 1968 - Morre o estudante secundarista Edson Luiz Lima Souto com um tiro no peito disparado por um tenente da Polícia Militar durante manifestação por no restaurante universitário Calabouço no Rio de Janeiro.
1968: Criação da Ação Libertadora Nacional (ALN), por Carlos Marighella.
26 de junho de 1968 - Passeata dos Cem Mil, no Rio de Janeiro, contra o regime militar, reuniu intelectuais, estudantes, trabalhadores
Julho de 1968 - Estoura a greve dos metalúrgicos em Osasco (São Paulo). Os operários ocupam as fábricas e o movimento é reprimido. Todos os dirigentes foram presos, mortos ou exilados.
12 de outubro de 1968 - Em ação da VPR, o Capitão do exército americano Charles Chandler é assassinado.
22 de novembro de 1968 - Criado o Conselho Superior de Censura
Omite, entre vários outros crimes cometidos  por organizações terroristas nesse ano,  o Atentado ao QG do II Exército, em São Paulo, em 26/06/1968.
Continuamos tentando colaborar com dados para que seja atualizado o Portal Memórias Reveladas.

 É importante que os crimes dos militantes comunistas não sejam omitidos.

 É importante  que os crimes desses assassinos, sequestradores e terroristas,  não continuem nos porões.
Estamos abrindo  as cortinas do passado , para que a verdade não continue sufocada.




                          MARIO KOREL-VIVO     MARIO APOS O ATENTADO TERRORISTA

----------Atentado ao QG do II Exército - 26/06/1968 -
Pela editoria do site


Mário Kosel Filho nasceu em 6 de julho de 1949, em São Paulo.  Era filho de Mário Kosel e Therezinha Vera Kosel. Tinha uma irmã, Suzana Kozel Varela, e um irmão, Sidney Kozel, com 14 anos de idade. Seu pai era gerente na Fiação Campo Belo, onde ele também trabalhava, antes de ingressar no Exército.  À noite, freqüentava as aulas no Instituto de Educação Ênio Voss, no  Brooklin.  Cursava o antigo colegial.  Era muito prestativo, gostava de ajudar a todos, principalmente os mais necessitados. Tomava  parte do Grupo Juventude, Amor, Fraternidade, fundado pelo padre Silveira, da Paróquia Nossa Senhora da Aparecida, no bairro de Indianópolis, do qual faziam parte mais de 30 jovens.  O símbolo do grupo, uma rosa e um violão foi idealizado por Mário Kozel, que era carinhosamente chamado de Kuka.

Aos 18 anos teve que deixar de freqüentar as aulas e de trabalhar para iniciar, nas fileiras do Exército,  o serviço militar obrigatório. Foi designado para a 5ª  Companhia de Fuzileiros do segundo Batalhão, no 4º Regimento de Infantaria , Regimento Raposo Tavares, em Quitaúna. No quartel, a partir de 15 de janeiro de 1968, passou a ser o soldado nº 1.803. Soldado exemplar.  Durante sua vida militar cumpriu  o seu dever com o Exército e com o Brasil. 
Na madrugada fria e nublada do dia 26 de junho de 1968, no Quartel General do II Exército, o silêncio e a tranqüilidade eram visíveis. Oficiais, sargentos e soldados dormiam e descansavam. Nos seus postos, as sentinelas estavam atentas, zelando pela vida de seus companheiros e protegendo as instalações do QG, pois o período era conturbado. As guaritas estavam guarnecidas por jovens soldados que, aos 18 anos, cumpriam com o dever, prestando o serviço militar obrigatório. Todos pertenciam ao efetivo do 4º RI e se apresentaram nos primeiros dias de janeiro. Entre eles, Mario Kosel Filho. Tinham portanto seis meses de instrução e  de serviço nas fileiras do Exército. 
. Durante a instrução, eram continuamente alertados a respeito da situação que o país atravessava. Sabiam que nessas ocasiões os quartéis são muito visados, como possíveis alvos para as ações terroristas. Além disso, todos foram alertados e souberam dos detalhes do assalto ao Hospital Militar,  quatro dias antes, pois as vítimas eram seus colegas do  4º RI, unidade do Exercito onde servia Lamarca, que já pertencia à Vanguarda popular Revolucionária - VPR-, organização terrorista autora do assalto e uma das mais violentas.  
Quando o soldado Mário Kosel Filho e seus colegas assumiram o serviço de guarda no Quartel General do II Exército, hoje  Comando Militar do Sudeste, no Ibirapuera, em São Paulo,  foram instruídos quanto aos procedimentos em caso de um ataque às instalações do quartel. Todos estavam tensos e ansiosos. Mal sabiam que um grupo de dez terroristas, entre eles duas mulheres, rodavam em um pequeno caminhão, carregado com 50 quilos de dinamite, e mais três Fuscas, na direção do QG. Tinham a missão de causar vítimas e danos materiais ao Quartel General. Tinham por objetivo a propaganda da luta armada. Por medo e por covardia, não tiveram a coragem de atacá-lo de outro modo que não fosse por um ato de terror. 
 Fanatizados, seguiam os ensinamentos de seu líder, Carlos Marighella que, no seu Minimanual dizia:
“O terrorismo é uma arma a que jamais o revolucionário pode renunciar.”
“Ser assaltante ou terrorista é uma condição que enobrece qualquer homem honrado.”
 . Às 4h30, a madrugada estava mais fria e com menos visibilidade. Nessa hora, uma sentinela atirou em uma caminhonete, que passava na Avenida Marechal Stênio Albuquerque Lima, nos fundos do QG, e tentava penetrar no quartel. Desgovernada, batera, ainda na rua, contra um poste. As sentinelas viram quando um homem saltou desse veículo em movimento e fugiu correndo. O soldado Edson Roberto Rufino disparou seis tiros contra o veículo.
 Mario Kosel Filho , com seu desejo de ajudar o próximo,  pensando que se tratava de um acidente de trânsito, saiu do seu posto com a intenção de socorrer algum provável ferido.
Ao se aproximar, uma violenta explosão provocou destruição e morte num raio de 300 metros.
Passados alguns minutos, quando a fumaça e a poeira se dissiparam, foi encontrado o corpo do soldado Kozel totalmente dilacerado.
O coronel Eldes de Souza Guedes, os soldados João Fernandes de Souza, Luiz Roberto Juliano, Edson Roberto Rufino, Henrique Chaicowski e Ricardo Charbeau ficaram muito feridos. Os danos no QG foram muito grandes.
Consumava-se mais um ato terrorista da Vanguarda Popular Revolucionária - VPR.
No atentado foram utilizados três automóveis Volkswagen Fusca e uma camionete. O atentado só não fez mais vítimas porque o carro-bomba não conseguiu penetrar no Quartel-General por ter batido em um poste.
O soldado Mário Kozel Filho morreu no cumprimento do dever . Em decreto de 15 de julho de 1968, foi admitido no grau de Cavaleiro da Ordem do Mérito Militar, no Quadro Ordinário do Corpo de Graduados Efetivos da Ordem Post-Morten, pelo Presidente da República na qualidade de Grão-Mestre da Ordem do Mérito Militar. Em conseqüência desse decreto, foi promovido post-morten à graduação de 3º Sargento.
Em sua homenagem, a avenida que passa em frente ao Comando Militar do Sudeste passou a ter o nome de Avenida Sargento Mário Kozel Filho.
Na Praça Sargento Mário Kozel Filho, gerações e gerações de soldados desfilarão e estarão sempre sendo lembradas do jovem e valente soldado que morreu defendendo aquele Quartel General de um ataque terrorista.
Participaram da ação os seguintes terroristas:
Waldir Carlos Sarapu -VPR  
 Wilson Egídio Fava - VPR
 Onofre Pinto - VPR
 Diógenes José de Carvalho Oliveira -VPR
José Araújo Nóbrega -VPR
 Osvaldo Antônio dos Santos - VPR
 Dulce de Souza Maia - VPR
 Renata Ferraz Guerra de AndradeVPR -
 José Ronaldo Tavares de Lira e Silva - VPR 
 Eduardo Collen Leite - Resistência Democrática -  REDE
Somente em 20 de agosto de 2003, por meio da lei federal nº 10.724, a família de Mário Kosel foi indenizada com uma pensão mensal de R$ 300,00 e depois aumentada para R$ 1.140,00, pela lei federal nº 11.257 de 27 de dezembro de 2005.
Em 2005, os deputados Elimar Máximo Damasceno e Jair Bolsonaro apresentaram um projeto de lei, na Cãmara dos Deputados, que inscreve o sargento Mário Kozel Filho no Livro dos Heróis da Pátria. Este projeto continua esquecido em alguma gaveta daquela casa de representantes do povo 

 Observação: O Portal Memórias Reveladas omite também os participantes do assassinato de Charles Rodney Chandler, capitão do exército americano, que fazia curso no Brasil
Vamos complementar a informação.
Participaram do assassinato direta ou indiretamente:: 
"Tribunal Revolucionário" que o condenou a morte:Onofre Pinto, João Quartin de Moraes e Ladilas Dowbor- Organização VPR
Levantamento: Dulce de Souza Maia - VPR
Grupo de Execução : Pedro Lobo de Oliveira , VPR - Diogenes José de Carvalho Oliveira _ VPR e Marco Antônio Brás de Carvalho - ALN

12 abril 2011

A morte das ideias políticas no Brasil

Na edição de hoje do O POVO, o leitor é levado a uma discussão que atravessa os séculos e impõe dúvidas. O que significa ser de esquerda ou de direita? No Brasil, achar diferenças é missão complicada
Desde a Revolução Francesa, no século XVIII, os termos “direita” e “esquerda” foram associados ao universo político. De lá para cá, já se passaram mais de dois séculos e a distinção entre os dois espectros ideológicos ainda suscita discussões, ganha espaço nos meios acadêmicos e permeia a linguagem política.
No Brasil, por exemplo, é uma tarefa cada vez mais árdua apontar diferenças entre esses dois campos de pensamento. Basta observar, por exemplo, os governos dos ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso (1995-2002) e Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010). Um tucano, dito de direita, e uma petista, dito de esquerda. A prática política, entretanto, dissolveu as grandes diferenças. Pare para refletir sobre as políticas macroeconômicas e sociais das duas eras. Encontrou grandes discrepâncias?
Segundo especialistas, os dois posicionamentos vigoraram, de fato, até o início da ditadura militar. Depois desse período, a ideologia política teria desaparecido, dando lugar aos interesses econômicos e à dominação das massas, simplesmente.A distinção entre os dois espectros, portanto, não teria mais razão de ser. “Os partidos foram abrindo mão de suas ideologias e foram em busca somente dos votos”, ressalta o professor de Ciências Políticas da Universidade de Brasília (UnB), Everaldo Moraes.
Apesar disso, após a volta do pluripartidarismo no Brasil, em 1985, algumas siglas ainda ensaiaram levantar bandeiras de esquerda e de direita no País. É o caso do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e Partido dos Trabalhadores (PT), por exemplo, que se voltaram para políticas de cunho social, enquanto o Partido da Frente Liberal (PFL) – rebatizado de Democratas (DEM) - primava pelo conservadorismo.
Cadê a direita?
Atualmente, há forte tendência entre o meio político brasileiro em se dizer de esquerda e a discussão sobre a permanência de uma direita no Brasil ganhou espaço desde as últimas eleições. Ex- PFL e herdeiro da Arena, o hoje denominado Partido Democratas (DEM), baluarte da resistência da direita no Brasil, dá sinas de definhamento depois do pleito de 2010.
A sigla sofreu uma de suas maiores derrotas em sua história nas últimas eleições e agora padece com a saída do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, que criou o Partido Social Democrático (PSD). Que por da vez ensaia uma aproximação com o governo da petista Dilma Rousseff.
Nas próximas páginas, especialistas discutem como o Brasil chegou à atual configuração ideológica, em que se dizer de direita parece pecado, se dizer de esquerda virou moda, mas na prática não existe oposição entre os campos.
SAIBA MAIS
Partidos explicitamente da direita ideológica tornaram-se produto raro dentro do mercado político do Brasil. As legendas “liberais” praticamente desapareceram: das oito siglas com esse nome criadas após a redemocratização do país, só resta uma.A remanescente é o PSL, que agrega o nome “social” ao “liberal” e tem um deputado federal.
Os demais representantese do liberalismo decidiram trocar de nome após o fiasco eleitoral de 2006.O PL fundiu-se com o Prona no PR (Partido da República) no final daquele ano, e o PFL passou a se chamar Democratas no início de 2007. A mudança fez bem ao PR. O partido elegeu 40 deputados no ano passado, contra 23 em 2006 e 26 em 2002. Já o DEM mantém rota declinante: 105 deputados federais eleitos em 1998, 84 em 2002, 65 em 2006 e 43 em 2010.
Sem boas perspectivas, grande parte dos ex-liberais planeja seguir o prefeito Gilberto Kassab num processo de conversão maciça ao PSD. A situação inusitada faz com que pessoas de direita não encontrem representatividade nos atuais partidos. É o caso dos membros do Movimento Endireita Brasil. Filiados ao DEM, reclamam da falta de receptividade do partido às ideias de direita, liberais.
Raciocínio similar guia o capitão da PM Augusto Rosa, de Ourinhos. Ele quer fundar o Partido Militar Brasileiro, de centro-direita , posição que, segundo ele, nenhum partido representa no Brasil
O quase sumiço das legendas liberais seria resultado de um consenso social-democrata que se consolidou no país após os governos FHC e Lula. Atualmente, é praticamente inviável eleitoralmente defender abertamente bandeiras liberais, sobretudo se isso implicar cortes em gastos sociais.Significa, para muitos, ser a favor da injustiça social, da concentração de renda, da ditadura militar, das torturas e também da censura.
 FONTE-
Ler mais: http://policialbr.com/profiles/blogs/a-morte-das-ideias-politicas?xg_source=msg_mes_network#ixzz1JJlICQ6S

Ranne Almeida
ranne@opovo.com.br

fonte: O Povo Online

09 abril 2011

O que é Bullying ?


A palavra inglesa Bullying ainda não tem uma tradução para o português, mas significa valentão, brigão, ameaça ou intimidação.
O bullying é um comportamento que se caracteriza pela ameaça ou agressão (psicológica ou verbal) de forma intencional e repetida e que ocorre sem motivação evidente.
Este comportamento é praticado por um sujeito (designado de bully - valentão) ou por um grupo de sujeitos, com o objetivo de intimidar ou agredir outro sujeito ou grupo de sujeitos. É perpetado por crianças ou jovens que têm, por qualquer motivo, mais força e poder que a vítima. A escola é um dos lugares onde o bullying é praticado com frequência, uma vez que neste espaço convivem diariamente crianças e/ou adolescentes. Pode ocorrer dentro ou fora da escola, em zonas onde a supervisão adulta é mínima ou inexistente e não está restrito a nenhum tipo específico de instituição: primária ou secundária, pública ou privada, rural ou urbana.
O bullying é um problema grave que acontece todos os dias, um pouco por todo o mundo, e que pode levar a vítima à depressão, à perda de autoestima e, em último caso, ao suicídio conhecido por "bullycide".

O bullying divide-se em duas categorias:

- Bullying direto - é a forma mais comum entre os agressores (bullies) masculinos;
- Bullying indireto - conhecido como agressão social, é a forma mais comum em bullies do sexo feminino e crianças pequenas, caracterizada por forçar a vítima ao isolamento social.
Este isolamento é obtido através de várias técnicas (espalhar comentários; intimidar outros que desejam relacionar-se com a vítima; criticar o seu modo de vestir, a sua etnia ou religião, incapacidades…).

Existem 5 tipos de atores co-implicados no bullying:

1. Agressor – pretende obter força, poder e domínio; ter fama e popularidade na escola amedrontando os outros;
2. Vítima;
3. Defenders – alunos que defendem as vítimas e são contra o bullying;
4. Bystanders – alunos que presenciam a situação e reforçam positivamente a acção do agressor;
5. Outsiders – alunos que não se manifestam nem de forma positiva nem de forma negativa perante o bullying.

A potencial vítima pode ser uma criança ou um jovem que apresente determinada característica que a torne um alvo fácil, como por exemplo, ser mais gorda/magra, gaguejar, usar óculos... Os pais e educadores devem estar atentos a possíveis sinais (fobia à escola, baixo rendimento, depressão, baixa auto-estima, etc.) que possam surgir por parte dos filhos ou alunos. O bullying não deve ser confundido com as brincadeiras que normalmente acontecem na infância e adolescência.

Técnicas de bullying

* Os bullies combinam a intimidação e a humilhação para atormentar os outros. Por exemplo:
* Roubar e/ou danificar objetos pessoais de uma pessoa, como livros ou material escolar, roupas… Espalhar rumores e comentários negativos sobre a vítima (trocar e passar mensagens ou bilhetes falando mal da pessoa em causa);
* Fazer com que a vítima faça o que ela não quer, ameaçando-a;
* Fazer comentários negativos sobre a família da pessoa, sobre a sua aparência pessoal, orientação sexual, religião, raça, nível de vida, nacionalidade…
* Levar a vítima ao isolamento social;
* Praticar o cyberbullying (criar páginas falsas sobre a vítima em variados sites);
* Fazer chantagem;
* Utilizar expressões ameaçadoras;
* Chamar nomes aos colegas;
* Agredir física e/ou verbalmente colegas, de forma sistemática e prolongada no tempo;
* "Fazer chacota" (cochichar) continuamente sobre a vítima;
* Tirar bens aos colegas (dinheiro, objetos pessoais...).


Efeitos do bullying


Quando praticado de forma persistente pode ter um ou vários efeitos no sujeito e/ou no ambiente onde ocorre.

Efeitos sobre o sujeito:

* Ansiedade Sensibilidade a determinadas brincadeiras
* Perda de autoestima
* Tristeza e irritação
* Medo de expressar emoções
* Problemas de relacionamento
* Abuso de drogas e álcool
* Automutilação e mesmo suicídio (bullycídio)

Efeitos no ambiente escolar:

* Níveis elevados de abstinência escolar
* Alta rotatividade do quadro de pessoal
* Desrespeito pelos professores
* Número de faltas elevado
* Porte de arma por parte de crianças com o objetivo de se protegerem

Quais são as consequências do Bullying sobre o ambiente escolar?

Quando não existe uma intervenção efetiva contra o bullying, o ambiente escolar torna-se problemático. Todos os intervenientes no espaço escolar são (sem exceção) afetados de forma negativa, passando a experimentar sentimentos de ansiedade e medo que poderão desencadear outros ainda mais graves para a sociedade, como o abandono escolar, doenças psicossociais...

Para a eliminação da violência na escola, devem ser criadas e tomadas as medidas necessárias por parte das entidades responsáveis. Quando são bem aplicadas e é envolvida toda a comunidade escolar, contribuem para o convívio saudável e equilibrado, ou seja, para a formação de uma cultura de não violência na escola, e de uma forma mais geral, na sociedade.

FONTE:
http://www.mulherportuguesa.com/gravidez-a-familia/familia/5863-bullying-o-que-fazer

06 abril 2011

Com perda salarial de 60%, Cabos e Soldados da PM querem reunião com o governador

A Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiros Militar do Estado de Mato Grosso do Sul (ACS PMBM-MS), vai realizar uma Assembléia Geral Extraordinária, no dia 08 de abril, às 8h, na FETEMS, com a finalidade de discutir com a categoria o valor do percentual de reajuste a ser reivindicado ao Governo do Estado.

“Não temos ainda um aumento a ser pedido, mas temos uma defasagem de 60% no salário, queremos uma política salarial até 2014 para tentar repor essa perda”, afirmou Cláudio Soares, vice-presidente da ACS.

Ainda segundo Cláudio, nesta terça-feira foi protocolado um documento na governadoria para tentar agendar uma reunião com o governador André Puccinelli. “Queremos sentar com o governador, não com um secretário”, completou Soares.

Simultaneamente os representantes da entidade no interior também realizarão assembleias com o mesmo objetivo. A diretoria da ACS quer definir com a classe a pauta de reivindicação do segmento, e através de uma audiência, encaminhá-la ao governador.

Recentemente vem sendo anunciado na imprensa que Puccinelli concederia apenas 6% de reajuste para os policiais, fato que não agradou a classe, que esperava ser mais valorizada neste ano.

Para a diretoria da ACS, os mais penalizados nos últimos anos são cabos e soldados que receberam ínfimos índices de reajuste salarial, e somente através de uma política salarial podem ser valorizados.

FONTE- http://www.midiamax.com/noticias/748131-com+perda+salarial+60+cabos+soldados+pm+querem+reuniao+com+governador.html

Abaixo-assinado Mudança do nome do Estado de Mato Grosso do Sul

PARA ASSINAR O ABAIXO-ASSINADO USE O LINK ABAIXO.

http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2011N8587


Em recente visita a Salvador-BA, em conversas com moradores daquele lindo estado, por muitas vezes houve a troca do nome do MS pelo de MT.
O normal seria deixar pra la e continuar a conversa, porem eu sempre interrompia o bate papo para corrigir os desinformados cidadãos daquela cidade, é Mato Grosso do Sul meu amigo.
Até ai tudo bem pois por aquela cidade ser histórica e o nosso Estado ser muito novo grande parte das literaturas se referem a um estado único no contesto histórico.
O que mais me doía no coração eram as conversas que tinha com turistas, constantemente diziam que gostariam de conhecer o “MATO GROSSO”, pescar no RIO MIRANDA, e no PANTANAL, fazer mergulho em BONITO e ver a GRUTA DO LAGO AZUL.

Participava da conversa um Americano e sua esposa um Escocês com suas filhas e um casal de Italianos, e eu minha esposa é claro, o americano era o mais eufórico, só que tive que interompe-lo também – disse-lhe- “ tudo o que o amigo esta falando esta errado, no Mato Grosso não tem essas belezas naturais.”
Ele de pronto abriu a bolsa e me mostrou uns folhetos de turismo “ em inglês “, e la estava MATO GROSSO e não MATO GROSSO do SUL.
La fui eu explicar para os turistas a diferença de nossos estados e colocar os pingos nos is.
Aproveite e já fiz um lobby do nosso, Mato Grosso do Sul que é um Estado de oportunidades e crescimento, atraente para novos investidores, na ocasião do setor de construção civil, que se encontra aquecido devido à facilidade de crédito, a ascensão das classes econômicas e a ampla oferta de programas habitacionais pelo Governo, entre outros fatores que impulsionam o setor.
Devemos lembrar que dois terços do Pantanal ficam em Mato Grosso do Sul, e caso não haja a mudança do nome do nosso estado, Cuiabá passará a ser conhecida como a capital do Pantanal, em um Estado que tem a menor parte dele.
È constante a mudança do nome do nosso estado na mídia nacional e mundial, recentemente uma novela da Globo também se esse equivocou e trocou o nome do nosso estado também.
Outra troca de MS por MT esta no filme “VIPS”, estrelado por Wagner Moura, que provocou um manifesto na Assembléia Legislativa do nosso Estado.
Essa troca já deveria ter sido feita em 1977 no advento da separação do Estado porem esse erro ainda tem como ser corrigido só assim teremos identidade própria e Parlamentares do nosso Congresso Nacional ira parar de dar vexame ao ser corrigido no Plenário, entre outros erros que nos causam constrangimento.

PARA ASSINAR O ABAIXO-ASSINADO CLIQUE NO LINK ABAIXO.

http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2011N8587

05 abril 2011

Estado abre inscrições para concurso público do Detran

Campo Grande (MS) – O governo do Estado abre hoje (5) as inscrições para o concurso público para ingresso de servidores no Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Ao todo estão sendo oferecidas 247 vagas a serem preenchidas com processo seletivo: são 49 vagas para cargos de nível superior e 198 para nível médio. O edital de abertura de inscrições para o concurso público foi publicado em um suplemento do Diário Oficial do Estado desta segunda-feira (4) e que pode ser acessado através do site www.imprensaoficial.ms.gov.br .
Conforme o edital, as inscrições ficam abertas a partir desta terça-feira (5) até às 19 horas do dia 20 de abril. Para se inscrever os candidatos devem preencher o formulário online no site www.concurso.ms.gov.br . A taxa cobrada para inscrições é de R$ 77,80 para candidatos de nível médio e R$ 124,48 para candidatos de nível superior, segundo consta no edital.
O processo seletivo será composto de quatro etapas: prova objetiva, exame psicotécnico, prova de títulos para cargos de nível superior e prova prática específica para candidatos ao cargo de agente condutor de veículo II. As datas para todas as etapas da seleção ainda não foram divulgadas e estarão disponíveis em editais publicados no site de concursos do Estado e no Diário Oficial.
Mesmo com vagas disponíveis para vários municípios de Mato Grosso do Sul, a prova objetiva do processo seletivo deve ocorrer em Campo Grande, segundo aponta o edital publicado nesta segunda-feira.
Ainda segundo o edital, o concurso é destinado para compor o quadro efetivo do Detran com 11 vagas para gestor de atividades gerais de trânsito; nove para gestor de educação e segurança do trânsito; três para gestor de atividades organizacionais; duas vagas para gestor de atividades de engenharia de tráfego e trânsito; uma para gestor de tecnologia da informação e 15 vagas para tecnólogo em educação e segurança para o trânsito, todas estas vagas são oferecidas para candidatos de nível superior.
Para nível médio o concurso público vai selecionar oito candidatos técnico administrativo; duas vagas para técnico em tecnologia da informação; uma vaga para técnico contábil; duas para técnico em recursos humanos; 73 vagas para assistente de atividades de trânsito; 78 assistentes de identificação e vistoria veicular; 27 vagas para assistente de pátio e apreensão de veículos e sete agentes condutores de veículo II. Além do número de vagas oferecidas para cada cargo, o concurso público prevê ainda cadastro de reserva.


O ponto critico é o da “taxa de isenção” o qual a pessoa que ta fazendo a inscrição utilizado esse critério ira ter que desembolsar dependendo o município, a quantia aproximada de R$ 30.00,entre a postagem e ônibus para chegar no correio.
Ora se a pessoa já esta fazendo o pedido de isenção é pelo motivo de não ter condições financeiras, para arcar com as mesmas.
Cabe lembrar que as provas serão na capital Campo Grande, sendo que as despesas com transporte e alimentação podem chegar a R$ 250,00,dependendo a cidade que reside.
Deveria o Gov. ANDRÉ PUCCINELLI desvincular o local das provas de C. Grande, a fim de facilitar o acesso de pessoas sem condições financeiras as provas.




4.7 - Isenção da Taxa de Inscrição:
4.7.1 - Os candidatos amparados pela Lei n. 2.557, de 13 de dezembro de
2002, deverão observar os procedimentos estabelecidos nos Decretos
n. 11.232, de 27 de maio de 2003 e n. 11.238, de 29 de maio de 2003,
e os candidatos amparados pelas Leis n. 2.887, de 21 de setembro de
2004 e n. 3.201, de 18 de abril de 2006 deverão:
a) efetuar a inscrição via Internet, de acordo com o previsto na alínea
“a” do item 4.2 deste Edital;
b) requerer a isenção do pagamento da taxa de inscrição no Concurso
Público de Provas e Títulos - DETRAN/MS, de acordo com o estabelecido
na legislação;
c) postar, através de SEDEX com AR (Aviso de Recebimento), ou entregar
pessoalmente, no período de 5 a 7 de abril de 2011, o requerimento
de isenção de taxa de inscrição devidamente assinado
e demais documentos mencionados na legislação citada no “caput”
deste subitem.
4.7.2 - Endereço para encaminhamento ou entrega dos documentos relacionados
no item anterior:
Comissão Organizadora do Concurso Público de Provas e Títulos
- DETRAN/MS
Secretaria de Estado de Administração - SAD
Avenida Desembargador José Nunes da Cunha - s/n - Parque
dos Poderes - Bloco I
CEP 79031-310 - Campo Grande-MS
Horário de atendimento: 8h às 13h
4.7.3 - O candidato que tiver seu requerimento de isenção da taxa de inscrição
indeferido, conforme relação a ser publicada no Diário Oficial do
Estado, deverá recolher o valor da taxa de acordo com o estabelecido
nas alíneas “a” e “b” do subitem 4.1.3 deste Edital, até às 19 horas do
dia 20 de abril de 2011(horário de Mato Grosso do Sul).
4.7.4 - O candidato que tiver seu requerimento de isenção indeferido e não
cumprir as normas estabelecidas no item anterior perderá os direitos
decorrentes da inscrição no Concurso Público de Provas e Títulos -
DETRAN/MS.
4.7.5 - Responderá por infração o candidato que apresentar comprovante inidôneo
ou firmar declaração falsa para se beneficiar da isenção da taxa
de inscrição.
Atalho para inscrição.
http://www.concurso.ms.gov.br/index.php?location=formulario

FONTE-
http://www.noticias.ms.gov.br/index.php?templat=vis&site=136&id_comp=1068&id_reg=137890&voltar=home&site_reg=136&id_comp_orig=1068

03 abril 2011

Major Bombeiro desabafa: "há 16 anos venho sendo feito de palhaço"


Burity reclama da falta de estrutura para se trabalhar prestando segurança e dignidade a população
O major do Corpo de Bombeiros, Carlos Burity, um dos mais experientes da corporação, fez um desabafo, na manhã deste sábado (2), ao ver os caminhões anti incêndio chegar sob vaias para conter o incêndio que atingiu lojas do Pavilhão do Artesanato, na orla da Pajuçara: "há 16 anos venho sendo feito de palhaço".

Burity se referia a falta de estrutura com que os bombeiros são obrigados a trabalhar. "Todos sabem que faltam viaturas e equipamentos e somos nós quem escuta as reclamações da população como as de hoje. É preciso que todos saibam que a tropa é dedicada e faz o impossível para prestar o serviço ao alagoano", ressaltou.

Logo ao chegar para dar a entrevista, Burity disse que resumiria tudo em três pontos. "O primeiro é que não havia um sistema de prevenção de incêndios no pavilhão, o segundo é que tudo já está controlado e o terceiro é que há 16 anos sou feito de palhaço", frisou o major, que preferiu não comentar o ocorrido na manhã deste sábado.

Ao encerrar a entrevista, Burity bateu com a mão no capacete e disse: "Este aqui é meu. Trabalho com ele porque comprei", concluiu.

Segundo os feirantes, o caminhão tanque do Corpo de Bombeiros que chegou ao local estava sem água e teve que retornar para a base para ser abastecido. Os bombeiros que chegaram ao local nos carros de resgate controlaram as chamas com água de carros pipa de empresas de limpeza urbana.

A assessoria de imprensa do Corpo de Bombeiros explicou que o caminhão chegou abastecido, fez o primeiro controle das chamas e saiu para reabastecer. Os carros pipa teriam sido usados apenas no apoio.

FONTE; http://www.correiodopovo-al.com.br/v3/maceio/13243-Major-bombeiro-desabafa-anos-venho-sendo-feito-palhao.html
EM DOURADOS MATO GROSSO DO SUL, A COISA É AINDA PIOR SÓ NESTE MOMENTO GRANDE PARTE DA POPULAÇÃO CORRE RISCO DE MORTE... VEJA EM
http://aadilsondomingos.blogspot.com/2011/03/risco-de-morte-p-moradores-de.html

01 abril 2011

Fim da corrupção faria País crescer 6% ao ano

Esta materia foi postada pela primeira vez em Setembro 2005 e como podemos ver muito pouco mudou
Só no ano passado, a corrupção custou R$ 380 bilhões ao Brasil, revela estudo
 
Nunca se falou tanto sobre corrupção no Brasil como nas últimas semanas. Denúncias de pagamento de mensalão (suposto esquema de pagamentos mensais a deputados do PP, do PT, do PL e outros), queda de ministros, malas de dinheiro apreendidas e tantos outros ingredientes "apimentados" ganharam importância, protagonizando um verdadeiro escândalo nacional.
Na realidade, a corrupção no País é um mal que suplanta a esfera política. Ela está presente em todos os níveis da economia, provocando efeitos negativos sobre a competitividade. Numa classificação internacional de corrupção elaborada pela ONG Transparência Internacional, reconhecida como a maior organização não-governamental centrada no combate à corrupção do mundo, o Brasil aparece na 59ª colocação, ficando atrás de países inexpressivos economicamente como Botsuana, Chipre, Suriname e El Salvador. A classificação é liderada pela Finlândia.
Caso o Brasil estivesse no mesmo patamar dos Estados Unidos, que ocupam o 15.º lugar da lista, ganharia a cada ano dois pontos percentuais de crescimento econômico, de acordo com cálculos do economista Marcos Fernandes Gonçalves da Silva, coordenador da Escola de Economia da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo e autor do livro "A Economia Política da Corrupção no Brasil" (Editora Senac), feitos para a revista "Exame".
Essa equiparação, de acordo com os cálculos, faria com que o País crescesse num ritmo anual de 6%. Se esse crescimento tivesse sido mantido nos últimos dez anos, o PIB (Produto Interno Bruto) de 2004 teria sido R$ 380 bilhões maior (somou R$ 1,7 trilhão, de acordo com o IBGE).
Mas não é só. Estudo da Transparência Brasil, organização não-governamental comprometida com o combate da corrupção brasileira, mostra resultados assustadores: 21% das empresas aceitam o pagamento de subornos para conseguir favores; 25% das companhias têm despesas de até 10% de suas receitas com subornos; 70% das empresas gastam até 3% do faturamento anual com propinas; 50% dos empresários pesquisados já foram achacados por fiscais tributários; e 87% das empresas relatam que a cobrança de propina ocorre com alta freqüência.
 
 Carimbo oficial
A quase totalidade dos empresários (96%), de acordo com o estudo, entende que a corrupção é um obstáculo importante para o desenvolvimento do País. Parte do pressuposto de que a corrupção contribui para a redução dos investimentos ou simplesmente afugentam o capital. O financista norte-americano Mark Mobius, um dos maiores especialistas em mercados emergentes e dono de mais de US$ 3 bilhões aplicados no Brasil, afirmou que se o País pretende crescer terá de enfrentar o problema de frente. "É preciso inspirar confiança nos investidores", ressaltou.
Na avaliação de estudiosos do tema, uma das causas do avanço da corrupção no Brasil é explicada pelo tamanho e funcionamento do Estado, que consome quase 40% da renda nacional. Com isso, é difícil impedir que a máquina estatal interfira sobre a iniciativa privada. Se não bastasse, a burocracia também é excessiva. Conseguir um carimbo oficial para a abertura de uma empresa ou a licença para a venda de um produto pode levar meses, graças às infindáveis exigências. Não é à toa, portanto, que o economista Simeon Djankov disse à Exame que o Brasil tem um dos piores ambientes de negócios do mundo, e isso favorece a corrupção. Djankov é o responsável por um estudo do Banco Mundial que classifica o Brasil como um paraíso da burocracia.

Internet, a grande aliada
Atacar a burocracia ajuda a diminuir a ilegalidade. Os países menos burocráticos são também os mais transparentes e os que obtêm mais sucesso. Um bom exemplo é dado por Cingapura, classificado como o quinto país menos corrupto do mundo. Lá é possível abrir uma empresa em menos de uma semana e a corrupção envolvida no processo praticamente não existe. O mesmo não se pode dizer do Brasil, em que esse procedimento leva 152 dias e passa pelas mãos de dezenas de pessoas.
Dotar a população com o máximo de informação possível também é uma forma de dar um duro golpe na burocracia e na corrupção. Neste sentido, a Internet apresenta-se como uma grande aliada, pois pode permitir que sejam esclarecidos todos os passos e os custos envolvidos num processo público, o que reduz as fraudes em licitações.
A Internet garante, também, mais transparência nas compras governamentais, que feitas de forma eletrônica, reduzem praticamente a zero o pagamento de propinas. O Estado de São Paulo já adota o procedimento há cerca de cinco anos. Recentemente, conseguiu uma redução de 36% no custo de 700 viaturas compradas para a polícia.
A complexidade da legislação brasileira - muitas leis são contraditórias entre si, impedindo que uma operação seja completamente legal - e a pouca confiabilidade da Justiça tornam o terreno para os "vendedores de facilidades" bastante fértil. Recentemente, uma empresa do setor de infra-estrutura foi multada em R$ 10 milhões por emitir uma nota fiscal sem data. Após queixar-se da infração recebida, recebeu um telefonema de um escritório de advocacia insinuando que a situação poderia ser negociada. Mediante o pagamento de propina, é claro. Como a resposta foi negativa, o processo segue na Justiça.
De acordo com o advogado Floriano Peixoto de Azevedo Marques, professor de Direito da Universidade de São Paulo, a atual legislação dá poderes demais ao Estado. "Muitos membros do governo usam isso para interferir nas concorrências, direcionando as licitações", declarou.Ele revelou, também, que sem o pagamento de propinas é quase impossível que uma empresa receba em dia pelo pagamento de um serviço prestado ou pela entrega de um produto. Ou seja, não basta a empresa entregar o melhor produto pelo menor preço. É preciso pagar para receber aquilo a que tem direito no dia do vencimento.Como forma de recompensar essa perda, muitas empresas aumentam o custo dos produtos. É comum também participantes de licitações embutirem em suas propostas um provisionamento para cobrir atrasos e pagar subornos.
Ainda segundo o advogado, o dia-a-dia dos negócios com o governo é contaminado, mesmo quando se trata de empresas idôneas. Para ele, as práticas ilícitas se tornaram a regra do jogo. De acordo com um empresário citado pela Exame, que importa produtos tecnológicos da China, deixar de pagar propina significa receber as mercadorias na última hora do prazo de cinco dias que os fiscais alfandegários têm para liberar os produtos. Mesmo que os impostos tenham sido recolhidos e as guias preenchidas corretamente. Os fiscais têm a "seu favor" a pressa dos donos das mercadorias para cumprir prazos com os clientes. Por isso, segundo o empresário, cobram a propina abertamente. "Então, pagamos", afirmou.
Legalidade exige "vida dura"
A vida de uma empresa que atua no Brasil dentro da legalidade é dura. Além de esbarrar na burocracia e sistemas trabalhistas e judiciais ineficientes, ela se depara com uma excessiva carga tributária e com concorrentes que usam como "vantagens competitivas" a sonegação de impostos, o contrabando e a pirataria. Os exemplos vão desde os postos de combustíveis, que adulteram os produtos, a empresas que colocam produtos nos supermercados com preços mais baixos do que os das marcas tradicionais, graças a esquemas de burlar a tributação.
A fiscalização deficiente, a burocracia lenta e a impunidade não são elementos que justificam a atuação fora da lei, mas facilitam a ocorrência. Nesse contexto, como afirma o tributarista Ives Gandra Martins, quanto mais burocracia e tributação, maior é a corrupção e a sonegação. Isso explica porque a sonegação fiscal é forte em áreas como as de bebidas, de combustíveis e de cigarros - são todas pesadamente tributadas.
Um caso de sonegação fiscal que chamou a atenção nacional recentemente é o da Schinchariol, fabricante de cervejas e refrigerantes. Em uma operação da Receita e da Polícia Federal, cinco donos da empresa foram presos - ficaram detidos por dez dias - e podem pegar penas que variam de dois a cinco anos de reclusão. A empresa é acusada de ter sonegado R$ 1 bilhão nos últimos quatro anos. De acordo com a Polícia Federal, a Schinchariol realizava vendas subfaturadas aos distribuidores, registrando um valor menor na nota fiscal, e depois exigia que os distribuidores devolvessem parte do lucro obtido com a sonegação.
Ainda segundo a polícia, a empresa fazia vendas falsas para distribuidores - também falsos - no Maranhão e no Espírito Santo, Estados onde o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e sobre Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal) é menor. Segundo a PF, duas distribuidores do Espírito Santo, que de fato existiam e ocupavam um cúbiculo de seis metros quadrados, teriam comprado, em um único ano, 30% da produção da cervejaria. A saída dos caminhões para os destinos verdadeiros era disfarçada por placas frias.
 
ONGs
Para se proteger da concorrência desleal, algumas empresas formaram ONGs (organizações não-governamentais) para cuidar de seus interesses, casos da Bic e da Louis Vuitton que oferecem cursos a agentes da Polícia Federal e da Receita para mostrar como reconhecer produtos falsificados.
Para o advogado Edson Vismona, que preside a ONG "Instituto Brasil Legal", que reúne fabricantes como Microsoft, Panasonic, Philips e Semp Toshiba, o importante é fornecer suporte técnico para as autoridades aumentarem o grau de eficiência na fiscalização de mercadorias que entram no País. Para ele, não adianta prender camelôs, pois o esquema é muito mais abrangente. Basta olhar par a os números da consultoria IDC que mostram que 75% do mercado de computadores do Brasil trabalham de forma ilegal. Ou seja: dos US$ 2,2 bilhões movimentados no ano passado, apenas US$ 550 milhões são da indústria formal.
Para especialistas, entretanto, a eficiência da fiscalização não é suficiente para barrar o "mercado cinza" (venda de produtos clandestinos). A solução passa por iniciativas que estimulem a legalização das empresas e pela racionalização da tributação. Em outras palavras: é preciso descobrir uma fórmula que faça do Brasil um ambiente menos hostil para quem pretende trabalhar dentro da lei.

FONTE
http://www.crasp.com.br/jornal/jornal231/princ2.html